Negócio de internet da Yahoo! vendido à Verizon por 4,8 bilhões de dólares

Um negócio que põe fim a 20 anos de projeto de uma empresa independente que deu os primeiros passos como startup na Universidade de Stanford

É oficial. A Yahoo! aceitou vender os seus principais negócios de à gigante Verizon Communications por 4,8 bilhões de dólares

Um negócio que põe fim a 20 anos de projeto de uma empresa independente que deu os primeiros passos como startup na Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, quando a internet estava nos primórdios, e teve que correr, mas ficou para trás, de rivais como a Google e o Facebook.

A transação, em dinheiro, inclui o património imobiliário da Yahoo! mas exclui alguma propriedade intelectual que será vendida separadamente.

Além disso, a Yahoo! fica com as participações na chinesa Alibaba e na Yahoo Japan, com um valor de mercado total de cerca de 40 bilhões de dólares (36,4 mil milhões de euros).

Já a operadora de telecomunicações Verizon adiciona ao seu portfólio de serviços o de internet da Yahoo! que conta com cerca de um bilião de utilizadores mensais em todo o mundo, incluindo email, conteúdo noticiosos e outros.

A maior empresa de comunicações móveis dos Estados Unidos acrescenta ainda ativos de crescimento rápido, incluindo aplicações móveis e tecnologia de publicidade para vídeo e dispositivos portáteis.

Juntam-se assim duas vontades, já que a Yahoo! tinha os ativos que a Verzion queria e, ao mesmo tempo, procurava um comprador para a área de internet.

É que empresa atravessava uma crise já longa, que tem contribuído para a desvalorização em bolsa. Só este semestre a empresa norte-americana reportou prejuízos de 537 milhões de dólares (489 milhões de euros).

Fonte: tvi24

Facebook faz primeiro teste de avião com internet

Voo foi realizado para verificar desempenho, componentes, aerodinâmica, baterias, controles de sistema e treinamento de equipe

Facebook divulgou nesta quinta-feira, 21, que o primeiro voo teste do Aquila foi bem-sucedido. O avião de longa distância e alta altitude movido a energia solar oferece internet a populações sem operadoras ou serviços relacionados acessíveis na proximidade.

O projeto é parte das iniciativas que compõem o grupo Internet.org, composto também por Samsung, Ericsson, MediaTek, Opera Software, Nokia e Qualicomm, além da rede social.O avião autômato foi guiado pela área de engenharia do Facebook conhecida como Connectivity Lab, também responsável pelo projeto, numa tarde de 28 de junho, no Arizona. Segundo relatos, o teste deu tão certo que foi estendido de 30 para 96 minutos.

Apesar de ter sido realizado em altitude baixa e em pouco tempo, o modelo tem capacidade de voo de três meses ininterruptos, numa altura entre 60 mil e 90 mil pés, circulando numa região de até 96 quilômetros de diâmetro. Ele é capaz de oferecer internet de dez gigas por segundo por meio de comunicação a laser e sistema de ondas milimétricas.

O Facebook anunciou que já havia feito diversos testes com modelos com escala de 1/5 do Aquila, mas essa foi a primeira com uma versão no tamanho original, que tem a envergadura de um Boeing 737. Apesar disso, o drone é superleve, feito de fibra de carbono, e pesa o equivalente a um piano de cauda.
O voo foi realizado para verificar desempenho, componentes, aerodinâmica, baterias, controles de sistema e treinamento de equipe.

Segundo texto de Jay Parikh, vice-presidente de engenharia do Facebook, “nos nossos próximos voos, vamos fazer o Aquila voar mais rápido, mais longe e mais alto. Eventualmente, voará a mais de 60 mil pés. Cada teste irá nos ajudar a aprender e nos mover mais rápido em direção ao nosso objetivo.”

Mark Zuckerberg, CEO, também se pronunciou, fazendo uma avaliação geral da experiência e enumerando os pontos de melhoria. Ele disse que “é tudo parte de nossa missão de conectar o mundo e ajudar mais de quatro bilhões de pessoas que não estão online a acessarem todas as oportunidades da internet”.

Veja abaixo um vídeo sobre o Connectivity Lab, do Facebook:

 

fonte: meio&mensagem

Brasileiros estão mais atentos às promoções

Onovo estudo da agência de pesquisa de mercado Hello Research mostra que os brasileiros, em meio à instabilidade econômica, estão mais atentos às promoções. Em sua segunda edição, o levantamento investiga as marcas e lojas mais lembradas pelos brasileiros por fazerem promoções, além de trazer dados do comportamento dos consumidores diante das ofertas.

Os dados da edição de 2016 mostram que, em 55% dos casos, a promoção foi decisiva para que o consumidor trocasse a marca que tinha intenção de adquirir por outra que estava em oferta. Para 29%, a promoção levou a comprar um produto que na verdade não era necessário no momento, ou seja, estimulou compras por impulso. Já para 15% dos entrevistados a promoção levou a compra de um produto de um patamar superior de sofisticação ou qualidade do que era imaginado inicialmente.

A primeira edição da pesquisa, realizada em 2014, apontava que 18% dos consumidores se lembravam de alguma promoção no supermercado. Já em 2016, o patamar alcança 32% da amostra, um crescimento de 78%.

“Esse dado nos mostra que o consumidor está muito mais atento às oportunidades de economizar, nada mais natural em meio à crise”, declarou Davi Bertoncello, CEO da Hello Research, em comunicado.

O estudo também investigou a lembrança dos consumidores brasileiros sobre marcas que realizam promoções. Entre as mais reconhecidas estão Omo (11%), Sadia (9%) e Coca-Cola (7%). Outras marcas citadas com destaque foram Nestlé (5%), Qualy (5%), Colgate (4%) e Dove (4%). Todas elas haviam sido lembradas em 2014, mas as três primeiras foram as que conseguiram maior crescimento: Omo havia sido citada por 6% dos consumidores em 2014, enquanto Sadia e Coca-Cola por 4% cada.

E qual marca faz as melhores promoções? Na opinião dos entrevistados, a Coca-Cola leva a melhor, ficando em primeiro lugar com 18% da preferência, além de se destacar entre as classes mais altas e os mais jovens. Em seguida, com 15% cada, estão Sadia e Omo. A Nestlé ficou com a preferência de 11% dos entrevistados, enquanto Qualy e Perdigão empataram com 7%. A Seara, a Danone e a Colgate encerram a lista das primeiras colocadas com 6% cada.

Reunindo todas as marcas lembradas pelos consumidores, a pesquisa aponta que o setor de alimentos (29%) e de congelados e resfriados (19%) foram os mais lembrados por aplicarem promoções. Os setores de bebidas não alcóolicas e de produtos de limpeza aparecem na sequência, com 14% de lembrança cada. Depois, higiene, saúde e beleza com 11%, seguido por bebidas alcoólicas, com 5%.

Bens duráveis também foram pesquisados

A pesquisa deste ano aponta que 13% da população comprou recentemente algum produto eletroeletrônico ou eletrodoméstico, o mesmo patamar de 2014. No entanto, as categorias compradas foram de menor valor: o brasileiro está desembolsando menos do que em 2014. Dentre esses compradores, 57% aproveitaram produtos em promoção este ano, enquanto em 2014 essa taxa era de 51%. Smartphone (19%), fogão (14%) e refrigerador (10%) foram os itens em promoção mais comprados.

Entre os eletroeletrônicos ou eletrodomésticos comprados em promoção, a Samsung liderou pela segunda vez como a mais comprada. Em 2014, 23% dos consumidores haviam comprado produto Samsung, enquanto agora são 28%. Em seguida, aparece a Electrolux, com 13% de menções em 2016 contra 6% em 2014. A Brastemp aparece na terceira colocação, mas perdeu pontos: foi de 14% na última pesquisa para 12% em 2016. Consul e LG fecham a lista das cinco primeiras marcas, também com quedas. A primeira caiu de 13% para 10% e a última de 16% para 7% das menções.

Entre os pontos de venda, as Casas Bahia seguem liderando como a loja onde os entrevistados mais compraram eletrodomésticos ou eletroeletrônicos, apesar de perderem espaço entre as edições da pesquisa: 36% em 2014 e 27% em 2016. Enquanto isso, cresceram a Magazine Luiza (7% em 2014 e 13% em 2016) e a Ricardo Eletro (6% em 2014 e 11% em 2016). As Lojas Americanas aparecem na sequência com 9%, Carrefour com 6% e Extra com 4%.

A Hello Research entrevistou 1280 pessoas na primeira quinzena de junho de 2016. A pesquisa foi aplicada pessoalmente em consumidores maiores de 16 anos, em diferentes capitais e cidades médias e pequenas de todas as regiões brasileiras. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos e o nível de confiança é de 95%.

Veja os resultados gerais da pesquisa aqui.

 

Fonte: meio&mensagem

McDonald´s, a primeira marca no Pokémon Go

Prestes a ser lançado no Japão, o aplicativo de games terá localização patrocinada na rede de fast-food.

Desde que Pokémon Go virou febre, há pouco mais de quinze dias, a pergunta era: qual será a primeira marca a estar no aplicativo? Após muitos rumores de que o McDonald´s seria o primeiro parceiro da plataforma, a rede confirmou, no Japão, que seus trinta mil restaurantes terão localização patrocinada no jogo.

“Uma vez que o projeto estiver concluído, informaremos os detalhes desta parceria”, afirmou O McDonald´s em nota. O anúncio fez com que as ações da empresa atingissem seu maior preço nesta quinta-feira, 21, na Bolsa de Tóquio.

O Pokémon Go foi lançado no início de julho e ainda não funciona no Japão, país de origem da fabricante Nintendo. O jogo deveria ter sido lançado por lá nesta quarta-feira, 20, mas a empresa recuou preocupada em não sobrecarregar seus servidores. A data de lançamento ainda não foi revelada.

Fonte: Proxxima